Estoy, Buenos Aires, anclao en Paris.

parisonhop

“Paris é o mundo, o resto do planeta Terra é apenas seu subúrbio.”

Marivaux

=====

Terminei de ler Comer, Rezar, Amar. Gostei, a leitura me prendeu bem. E com um bebê pequeno, sem dormir, tinha que ser uma leitura que prendesse mesmo, e assim, levinha, descompromissada. E só isso que eu quero atualmente, descompromissos, porque vida de mãe já é sinônimo de compromisso, vida de trabaiadôra também, então, me poupem e livrem de compromissos. E eu que não vou solicitar mais nenhum né? Por isso uma salva de palmas para as leituras fáceis, delicinhas, que tornam minha vida mais divertida. Aliás, tudo que torna minha vida mais divertida eu ando buscando. Agora que saí do doutorado é que não quero ler nada por compromisso, mesmo. Mas esse não é o único livro que estava lendo, também leio agora O Herói Interior e Paris, Uma Biografia.

.

Por isso vou começar a ler talvez O Corcunda de Notre-Dame. E depois uma série de livros sobre Paris, porque um dia nessa vida quero conhecer essa cidade… (Acho que depois que ganhei aos seis anos A Iha Perdida e um abajour pra não acordar minha irma quando eu lia eu nunca mais fiquei um dia sequer nessa vida sem estar lendo algum livro.)

.

Engraçado é que eu sempre achei Paris clichê, nunca antes tinha me atraído. Queria tanto ter ido a Cuba antes, nunca imaginei que eu um dia quereria conhecer Paris antes de conhecer Cuba. Mas acabou acontecendo, eu não quero mais ir em Cuba, não agora, e talvez não vá. Porque viagem internacional eu sei que só poderei fazer, se puder, algumas poucas nesta vida e há que se priorizar, e agora Cuba saiu de cena… e não pergunte, porque eu não sei exatamente porquê.

.

Continuo achando, na verdade, que Paris é o maior clichê, mas clichês deste tamanho há que se conhecer. E na verdade eu não tenho mesmo nada contra os pobres clichês não… Sei lá, o que me deu. E nem é plano pra agora, é para um dia, quem sabe… E na por isso estou querendo ler sobre a cidade, ver filmes e quem sabe até arriscar aprender algum francês, depois que eu resolver minha eterna briga com o inglês… Enfim, sei lá, depois de não querer compromissos, talvez a moda seja inventar o que fazer. E eu estou procurando algo pra planejar, pra encher meus dias de novo. Sou movida a projetos, descobri isso… (Alguém não é?)

.
Quem quiser fazer a gentileza de sugerir, livros, filmes e músicas que envolvam Paris, por favor deixe a sugestão nos comentários.

=====

O título do post é de um tango de Carlos Gardel, Anclao en Paris. Na verdade, eu não consegui saber ao certo se é anclao ou anclado. O certo talvez seja anclado, ancorado, mas surge muito anclao também. E talvez fosse, ou seja ainda, uma forma das ruas de dizer anclado, não sei…

nostalgia

2 comments

  1. Dani S disse:

    Naná, assim de orelhada, acho que “anclao” é correto tb, assim como a música do Alejandro Sanz é Corazón Partío – acho q em alguns lugares se come esse “d” do participio mesmo. bj

  2. Fefê disse:

    “Paris, eu te amo” é um filme lindo. Várias histórias na cidade luz. Vale muito a pena!
    Beijos,
    Fefê

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *